EPC lança publicação e versões atualizadas de Ciclo e Ferramenta para apoiar empresas na adaptação de seus negócios às mudanças do clima

Publicação online traz conceitos e referências para adaptação climática no setor empresarial, além de ciclo e ferramenta para orientar empresas na elaboração de estratégias adaptativas em seus negócios 17/09/2015
COMPARTILHE

Local: Sala Itaú, FGV-EAESP
Data: 10 de setembro de 2015 Projeto: Plataforma Empresas pelo Clima (EPC) Participantes: Público em geral Apresentação: Carlos Klink (Ministério do Meio Ambiente), Gislaine Letenski (Grupo Boticário), Henrique Alonso Anadan (CSN),
Livia Friseira (Grupo CCR), Mariana Nicolletti (GVces), Mario Monzoni (GVces), Mario Pino (Braskem), Natalia Lutti (GVces),
Roger Street (UKCIP), Thatyanne Gasparotto (Embaixada Britânica)
Texto: Bruno Toledo (GVces) 

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, ADAPTAÇÃO E SETOR PRIVADO

Estamos esperançosos de que o novo acordo climático nos dê, ao menos, uma direção nova e certa a seguir. O acordo de Paris não é o final, é justamente o começo de um trabalho profundo para repensar o desenvolvimento econômico e social dos países. O trabalho começa a partir desse documento, e iniciativas como a de hoje são importantes para que tenhamos bons resultados mais adiante. Carlos Klink, secretário de mudanças climáticas e qualidade ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA)

Quando se pensa no enfrentamento às mudanças do clima, geralmente a reflexão encaminha-se para a mitigação – ou seja, para os esforços de redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE), de forma a diminuir sua concentração na atmosfera e, assim, minimizar possíveis mudanças nos padrões climáticos da Terra. No entanto, considerando o estágio avançado de concentração dos GEE na atmosfera terrestre hoje, as mudanças climáticas não são mais um desafio distante: elas já estão presentes no dia a dia das pessoas, e deverão continuar em alguma medida nas próximas décadas, principalmente se os esforços de mitigação não forem imediatos ou suficientes.

Esse cenário nos impõe a necessidade de pensar e trabalhar numa segunda frente de atuação em clima, voltada para minimizar os efeitos adversos já existentes das mudanças climáticas – a adaptação. Presente no texto da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês) desde seu começo, o tema de adaptação vem ganhando relevância nos últimos anos, à luz dos impactos que já estão acontecendo ao redor do mundo, com o foco nas comunidades e nos sistemas mais vulneráveis a essa instabilidade climática.

Da mesma forma que o setor privado é crucial para o sucesso de esforços de mitigação, as empresas também são atores estratégicos para que as economias nacionais consigam se adaptar às mudanças climáticas, resguardando suas operações e negócios e aproveitando oportunidades associadas a essas alterações do clima. À luz dos desafios futuros que a questão climática irá impor sobre governos, sociedades e empresas, e considerando os futuros compromissos que serão firmados na Conferência do Clima de Paris (COP 21), que será realizada em dezembro, esforços de adaptação serão cruciais para que possamos suportar os impactos atuais e preparar as bases para uma economia de baixo carbono e resiliente (que evite efeitos ainda mais negativos no futuro).

Foi com essa motivação que a Plataforma Empresas pelo Clima (EPC), junto com suas empresas membros, se dedicaram para a elaboração de ferramentas de gestão que facilitem a construção de estratégias empresariais de adaptação por parte das empresas e sua internalização em seus negócios, produtos e serviços. O resultado desse esforço foi apresentado em evento realizado em 10 de setembro passado, na FGV-SP, com o lançamento de uma publicação online sobre adaptação empresarial e de instrumentos para apoiar a elaboração de agendas empresariais em adaptação.

Sabemos da importância do engajamento do setor privado para o sucesso do enfrentamento das mudanças climáticas. Sem as empresas, qualquer estratégia nacional de mudanças climáticas fica inviável. Roger Street, diretor da UKCIP

CICLO, FERRAMENTA E PUBLICAÇÃO ONLINE DA EPC SOBRE ADAPTAÇÃO PARA SETOR PRIVADO

A partir dos encaminhamentos que recebemos durante o Fórum Latino-Americano de Adaptação às Mudanças do Clima, realizado em junho de 2013, o GVces e as empresas membros da Plataforma EPC construíram um framework importante, uma ferramenta de gestão que já está sendo usada por algumas empresas e já está gerando conhecimento e aprendizados para todos nós. Mario Monzoni, coordenador-geral do GVces

A Plataforma EPC vem se debruçando sobre o tema da adaptação climática de empresas desde 2013, quando realizou o Fórum Latino Americano de Adaptação às Mudanças do Clima. Promovido em parceria com o Secretariado da UNFCCC, este fórum teve como principal objetivo reforçar as ações de adaptação como parte da estratégia das empresas do continente, reunindo casos relevantes de adaptação corporativa às mudanças climáticas. Um dos encaminhamentos desse evento foi a necessidade da agenda empresarial de adaptação contribuir para evitar riscos através da redução da vulnerabilidade e para criar novas oportunidades e negócios.

A partir desses encaminhamentos, a EPC e suas empresas membros, com apoio da GIZ e da Fundação Konrad Adenauer, desenvolveram um Ciclo para a Elaboração de Agendas Empresariais de Adaptação às Mudanças do Clima e uma ferramenta que auxilia na implementação desse ciclo. Esses produtos foram melhorados, a partir do feedback de empresas e parceiros, em um projeto com MMA e UKCIP, apoiado pela Embaixada Britânica. As novas versões do Ciclo e da Ferramenta foram apresentados durante o evento, junto com um toolkit para apoiar as empresas no engajamento de públicos estratégicos para a construção dessa agenda de adaptação. Outro produto apresentado durante o evento foi uma publicação online, que reúne conceitos e referências importantes para adaptação às mudanças climáticas e o setor privado.

Muitas empresas já enxergam adaptação como estratégico porque seus negócios estão expostos aos impactos correntes das mudanças climáticas. Essas pressões já acontecem, e isso exige ação da empresa. Natalia Lutti, pesquisadora do GVces

PROJETOS PILOTO: A IMPORTÂNCIA DE INTERNALIZAR ADAPTAÇÃO À ESTRATÉGIA E AOS NEGÓCIOS DA EMPRESA

Adaptação exige ter visão de curto, médio e longo prazo, num período temporal que nem sempre coincide com os da empresa em si. Por isso, é importante amarrar esse tema ao planejamento estratégico e à tomada de decisão da empresa, adicionando as variáveis climáticas às outras variáveis que são consideradas na tomada de decisão. Mariana Nicolletti, coordenadora da Plataforma Empresas pelo Clima (EPC)

Além dos produtos, o evento também reuniu algumas empresas membros da EPC que conduziram projetos piloto de aplicação e implementação dos produtos para a elaboração de agendas empresariais de adaptação entre 2014 e 2015. Os projetos pilotos foram realizados por Braskem, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Grupo Boticário, Grupo CCR, Natura e Suzano Papel e Celulose. Quatro dessas empresas apresentaram seus casos e refletiram sobre os desafios desses projetos durante o evento.

A Braskem focou o desenvolvimento de uma agenda de adaptação olhando para riscos e oportunidades de plantas químicas no Brasil, Estados Unidos e Alemanha. Já a CSN olhou para a área da empresa que tinha mais impacto - no caso, a principal unidade da empresa, a Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda (RJ). Por sua vez, o Grupo Boticário trabalhou com as unidades de negócio mais vulneráveis a eventos climáticos extremos, os pontos de venda. Finalmente, o Grupo CCR realizou seu projeto piloto com dois negócios de concessão localizados no estado do Rio de Janeiro, pela disponibilidade maior de dados climáticos para trabalhar: Via Lagos e CCR Barcas.

Dentre as reflexões feitas pelas empresas, destaca-se o desafio da falta de conhecimento técnico sobre cenários climáticos num primeiro momento, o que forçou essas organizações a olhar mais atentamente para o tema e para a elaboração das agendas de adaptação. Outro desafio relevante apontado foi o engajamento de públicos internos e stakeholders, algo que exigiu das empresas uma atuação contínua com os atores e setores relevantes para o desenho das medidas adaptativas. Por fim, um ponto destacado pelas empresas foi a importância dos produtos da EPC para aproximar a questão climática e os negócios, trazendo insumos relevantes que facilitam o entendimento da alta direção sobre esses esforços de adaptação e, consequentemente, seu engajamento na aplicação dessa agenda.

Saiba mais sobre os projetos pilotos de adaptação aqui.

Os custos dos impactos causados pelas mudanças climáticas são muito maiores do que os custos das medidas propostas pelo plano definido. Essa ferramenta é muito importante para comunicar isso a alta gestão da empresa. Henrique Alonso Anadan, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN)

 

Este tema adquiriu uma maturidade e robustez que permitirão, no próximo ciclo de planejamento, inserir o tema das mudanças climáticas dentro da nossa estratégia de desenvolvimento sustentável. No longo prazo, isso nos permite construir um diferencial competitivo importante para nossa cadeia de valor. Mario Pino, da Braskem

Nosso desafio é pegar esta estratégia de adaptação e levá-la para a parte operacional da empresa, para o dia-a-dia dela. Por isso, é crucial o engajamento interno, trabalhar esse tema com os nossos funcionários para que possamos internalizar a estratégia de adaptação na operação da concessionária. Livia Friseira, Grupo CCR

 

O engajamento também foi desafiador. Tivemos que envolver diferentes setores, como transporte, comercial, geoprocessamento, logística, entre outros, e precisamos reforçar esse engajamento de forma contínua para fazer o trabalho funcionar. Gislaine Letenski, Grupo Boticário

 

Clique aqui e conheça a publicação online da EPC sobre Adaptação às Mudanças Climáticas e o Setor Privado. Conheça também o Ciclo para a Elaboração de Agendas Empresariais de Adaptação às Mudanças do Clima, a Ferramenta e o toolkit de engajamento para auxiliar na sua implementação.

Fotos: Milene Fukuda (GVces)

Mais Lidos

Nenhum post encontrado.